29/06/11

O ESPAÇO GEOGRÁFICO

Principais conceitos:
- Espaço Geográfico 

O espaço geográfico se constrói a partir da relação histórica entre a sociedade e a natureza e que, por isso mesmo, é dinâmico e esta em constante transformação.
Podemos dividir o espaço em duas naturezas, conforme Milton Santos:
 - A primeira natureza- consiste no espaço intocado pelo ser humano, espaço no qual não sofreu transformações.
- A segunda natureza- consiste no espaço que sofreu alterações humanas, o que chamamos então de espaço artificial.
Espaço é um conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações, não considerado isoladamente, mas como um quadro único na qual a história se dá. (Milton Santos[1], 1999)

Para complementar:

O que é função social do espaço?

É a função na qual é exercida no ambiente de análise.
Exemplo1: Uma grande propriedade de terra onde se cultiva cana-de-açúcar para exportação. Função: plantação/agricultura.
Exemplo 2: Centro da cidade do Rio de Janeiro.
Função: centro comercial/empresarial/lazer...

Para entender as transformações espaciais, analisa-se:

FORMA
PROCESSO
ESTRUTURA
FUNÇÃO
Natural com áreas inabitáveis
Passa por um processo de transformação
Cria-se uma nova estrutura espacial
Exerce uma nova função no espaço
Área de mata nativa
desmatamento/queimadas
Construção de prédios, aterramentos, etc.
Centro urbano
Escola
Hospitais etc...

Paisagem as técnicas e as tecnologias

“É tudo aquilo que vemos, o que nossa visão alcança é paisagem".
“A paisagem é um conjunto das formas que, num dado momento, exprimem as heranças que representam as sucessivas relações localizadas entre homem e natureza”

Para analisar o espaço geográfico, é preciso compreender de que forma as sociedades se inserem nesse espaço e qual uso fazem das paisagens. Sendo assim, podemos definir diversos tipos de paisagens:

-paisagem natural- predomínio dos aspectos naturais (relevo, vegetação, hidrografia, clima).
-paisagem artificial ou humanizada- onde há predomínio das ações humanas (ações antrópicas).
Refere-se ao espaço onde ocorreu pouca ou grande intervenção humana que acarretou a transformação da paisagem (escolas, cidades, indústrias...)

TÉCNICAS: São os conhecimentos, os instrumentos e as habilidades empregados intencionalmente a realização de uma finalidade. O cultivo do milho é uma técnica assim como a escrita.
TECNOLOGIAS: São aplicações de conhecimentos científicos à produção de objetos úteis. A siderurgia, as ferrovias, a geração de imagens de televisão, os satélites artificiais são produtos da tecnologia.

- Lugar
 É a expressão da história cotidiana das pessoas, a maneira na qual elas ocupam o espaço, dos usos que fazem dele e a maneira de vivenciá-lo. È a base de reprodução da vida.
É no lugar que se encontra a identidade do grupo de pessoas que ali vivem. Seja um bairro, uma rua, uma vila. Não importa o tamanho ou dimensão do lugar. Ele é o caracteriza a existência humana no espaço.
Com o passar dos tempos, os lugares vão sofrendo alterações em suas paisagens, funções e tomando assim, novas configurações espaciais. Este processo de transformação é ainda mais intensificado à medida que o desenvolvimento econômico é expresso nas paisagens.

- Região
O termo região é usado para expressar uma característica marcante que a distingue das áreas de seu entorno. É comum a determinação de região mais desenvolvida, região violenta, região da seca, região política e outras.

- Território
Devido a diversidade de conceitos relativos a território, adotaremos aqui um visão mais olística (geral/amplo) deste conceito para o entendimento da ciência geográfica.
Desta forma, o território poderá ser entendido como múltipla relação de poder: do poder material das relações econômico-políticas ao poder simbólico das relações culturais.

- Estado-Nação
O Estado-Nação constitui uma das formas de organização do território mais representada em mapas políticos. Foi consolidado no século XIX, onde esta diretamente relacionado a expansão do capitalismo industrial. Este modo de organização do espaço teve início na Europa Ocidental e expandindo-se posteriormente pelo globo.
As fronteiras políticas definem a extensão geográfica da soberania do Estado-Nação. No interior do espaço que elas delimitam, ou seja, no território nacional, o poder do Estado é soberano. É ele quem estabelece as decisões internas, realiza os censos, organiza as informações sobre a população e as atividades econômicas e formula estratégias de desenvolvimento e proteção desse território.

- Cartografia
Pode ser definida como um conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseadas em informações coletadas diretamente ou análise de documentos, com o objetivo de elaboras e preparar cartas, planos e outras formas de representação.

Mapas- são representações geométricas planas e simplificadas da superfície terrestre, ou parte dela, numa relação de proporcionalidade dada por uma escala.
Os mapas podem apresentar temas específicos, como por exemplo: clima, vegetação, população e outros. Esses mapas são denominados Mapas Temáticos.

Cartas- são representações cartográficas convencionais e planas, elaboradas com grande precisão, e revelam os fenômenos da superfície terrestre utilizando dados obtidos por meio de fotografias aéreas, imagens de satélites e trabalho de campo.

As representações de um mapa

Mercator- representa uma visão eurocêntrica do mundo. Os países localizados em latitudes mais elevadas, apresentam áreas maiores do que aqueles situados próximo aos trópicos. Como as antigas metrópoles, hoje, os países desenvolvidos, estão nessas latitudes, esse mapa tem servido aos seus interesses de dominação espacial, uma vez que a Europa aparece no centro do mapa e com sua área aumentada.

Peters- esta representação procura trazer mais proporcionalidade entre as áreas ocupadas pelos países em diferentes latitudes. Distorcendo a forma e mantendo a área equivalente dos continentes.

Elementos de um mapa: 

Escala- permite obter informações precisas de proporcionalidade. Podem ser representadas como escala numérica ou gráfica.
A escala numérica, a mais usada, é expressa em números: 1:50.000, onde, o número 1 representa a unidade do mapa e o 50.000 o número de vezes em que a escala foi reduzida. O numerador e denominador deverão estar na mesma unidade de medida (cm, km, e assim por diante)
A escala gráfica representa as dimensões em um gráfico, porém, a proporcionalidade entre o desenho e o real é igual à da representação numérica.
Uma escala grande é quando apresenta bastante nível de detalhamento do local, portanto seu denominador é menor.
Uma escala pequena é quando apresenta pouco detalhamento do local, portanto seu denominador é maior.

Legenda- permite compreender as informações do mapa. Nas legendas encontramos os símbolos, cores, linhas que, transmitem as informações corretamente.

Título- apresenta uma informação geral sobre o que está representado.

Curvas de nível-  estas estão presentes nas cartas topográficas. Representam as altitudes de um relevo.

Paralelos e Meridianos

São linhas imaginárias que cobrem o globo terrestre e foram criados para facilitar a localização, com precisão, de um ponto na superfície da terra, orientando a elaboração dos mapas.
Os meridianos representam a metade de um círculo máximo, são semicircunferências, onde suas extremidades são os pólos geográficos da terra. Todo meridiano apresenta um antimeridiano correspondente, situado no hemisfério oposto. A diferença entre um meridiano e seu antimeridiano é de 180 graus.
O principal meridiano que divide a terra é o Meridiano de Greenwich. Sua representação é de 0º e seu antimeridiano é de 180º,onde, foi convencionada a linha de mudança de data.
A linha de mudança de data e a definição de meridiano principal estão diretamente relacionadas ao estabelecimento dos fusos horários. Os fusos horários permitem as pessoas de todos os países adotar um padrão de horário, utilizando-o como referência.
Os países com dimensão continental apresentam mais de 1 fuso horário, como no caso do Brasil. Que apresenta  3 fusos horários[2].
Os paralelos são linhas imaginárias paralelas a linha do equador, perpendiculares ao eixo da terra.Diferentes dos meridianos, os paralelos são circunferências.
Os paralelos com nomes especiais são o trópico de Câncer, Capricórnio, Círculo Polar Ártico e o Círculo Polar Antártico. Essas linhas são usadas para definir padrões climáticos, com características semelhantes devido as mesmas latitudes.

Rede de coordenadas geográficas
Os paralelos e meridianos permitem identificar nesta ordem, as latitudes e as longitudes que estabelecem a localização de um ponto qualquer da superfície terrestre.

Sensoriamento Remoto.
Consiste da captação de imagens de diversas fontes: fotografias, satélites, radares, colocado a borda de satélites e aeronaves.
Esta técnica é utilizada para diversas áreas de conhecimento como a meteorologia, cartografia, urbanismo, geopolítica, agronomia e outros.
As imagens coletadas são tratadas e transformadas para base de pesquisas através do Geoprocessamento e Sistema de Informação Geográfica (SIG), permitindo a elaboração dos mapas, cartas temáticas, projetos de estudos de riscos ambientais e diversos outros usos. É a tecnologia aliada a ciência geográfica




[1] SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo. Hucitec. 1999.p.51-52.

[2] Segundo a Lei nº 11.662, de 24 de abril de 2008, a partir de zero hora de 24 de junho de 2008 passaram a vigorar no Brasil 3 (três) fusos horários.


Nenhum comentário:

Postar um comentário